30 de mai de 2011

Sopa de Botões

Trata-se do "Sopa de Botões".
Não fui eu quem inventou, mas a tradução é minha e a introdução da técnica também.
Um bordado muito interessante.
Dei uma oficina desta técnica no Festival de Quilts de Gramado, e as pessoas adoraram. Andei por aí, Brasil afora, com a mesma oficina, e ela sempre causa muito furor.
Eu venho estudando isso há uns dois anos , e vi que Frances Holliday Alford  ´conseguiu colocar uma matéria sobre este assunto na revista nº30 da Quilting Arts, em dezembro de 2008. Isso ajuda muito a divulgar a técnica.
Técnica que me fascina a cada dia...



Abaixo, um dos trabalhos de Frances Holliday Alford mostrado na revista.



Ela denomina esta técnica de "Outrageous Embellishment".



Uma composição de cores, texturas e materiais.
E o resultado é sempre em 3D, uma das características deste bordado contemporâneo.



Há várias outras pessoas com trabalhos igualemnte interessantes.
Uma que eu também gosto muito é Jane Perkins.
Ela retrata personalidades usando a técnica do "sopa de botões", usando todo e qualquer tipo de material.
Ela parte do princípio "cor".
Reúne materias de mesma cor, independentemente do que sejam e os prega em tecido com a foto impressa, seguindo as cores ditadas pela impressão.
Apesar dela usar o tecido impresso como base, ela não prega as peças com costura.
Usa cola.
Um outro recurso que esta técnica permite mas que eu, particularmente, não utilizo, pois amo linhas e as prefiro às colas.



Alguns editores nomearam o trabalho de Jane Perkins como arte-lixo, uma espécie de sucata, feito com coisas que outros jogariam fora, por acharem que não serviria mais para nada.



É um trabalho muito interessante e a proposta artística é bem atual, visto que usa a "reciclagem" e o aproveitamento e reaproveitamento de materiais diversos, desde que eles tenham estrutura e que sejam das cores desejadas por quem está compondo.



Em alguns lugares da impressão a artista não interfere.
 Percebam que ela não trabalha nos dentes, nos olhos e em pontos mais específicos, onde cobrir com materiais perderia a essência do apelo visual.




A artista usa dinossaurosinhos, cachorrinho ( e outros animaizinhos de plástico), chaveiros e peças que eu considero bem exóticas, para a composição deste trabalho.



Uma proposta difícil e bem atrevida: trabalhar com o preto, o branco e o cinza.



Vale tudo: bichinhos de plástico, talheres descartáveis, corpo de boneca quebrada... uma loucura!



E é incrível como fica perfeita a foto e como ela mantém a expressão original. O trabalho resulta numa releitura impressionante.



Aqui ela trabalhou apenas no contorno da imagem, que é uma outra proposta, mas não menos criativa.



Também desenvolvi esta técnica e a venho estudando, como já citei anteriormente.
E por sua qualidade tridimensional, achei que ficaria muito bem em acessórios.
Então, usei a técnica em algumas peças da minha grife de bordados.
E depois experimentei a mesma técnica em vários outros trabalhos.
E adoro praticá-la!






















Postar um comentário