3 de mai de 2011

O Mundo Mágico de Escher


Aqui em São Paulo, Brasil, 95 obras(gravuras originais e desenhos)do Museu Escher, que fica na Holanda, ficarão expostas até o dia 17 de julho no Centro Cultural Banco do Brasil, na R. Álvares Penteado, 112, Centro. Metrô Sé.
Só não abre às segundas-feiras e o horário é das 9h às 20h.
Não é cobrado ingresso e pode-se fotografar, exceto dentro das salas especiais.
Essa Mostra faz parte dos 10 anos comemorativos de atuação do Centro Cultural do Banco do Brasil de São Paulo e, antes, passou por Brasília e Rio de Janeiro.

Logo na entrada há a Sala da Relatividade, onde muita gente se diverte tirando fotos engraçadas onde saem de tamanhos completamente diferentes, por causa da ilusão de óptica que o piso e as janelas causam.

Esta foto eu tirei de uma janela.

E esta aqui, tirei na frente da sala. Podemos ver a perspectiva em que foi construída.
Nas fotos abaixo, colhidas na internet, a interatividade de alguns visitantes e da obra de escher.



Na entrada há, também, uma proposta maravilhosa de Escher. Fotografei-a:


No primeiro andar há a exibição de um filme em 3D, com duração de 8 minutos, que pretende um divertido passeio por dentro das obras arquitetônicas do artista.
O filme passa de 15 em 15 minutos e são oferecidos óculos 3D descartáveis, higienizados após cada sessão.


A curadoria desta exposição é de Pieter Tjabbes e ele diz:
"É importante ressaltar que essa é uma oportunidade única do brasileiro conhecer o trabalho original do artista gráfico, já que após essa exposição, as obras não serão emprestadas pelo Museu Escher durante os próximos quatro anos". Pieter explica que, pela regra internacional, quando obras ficam expostas durante muito tempo, sofrem incidências de luz e podem perder intensidade de cores e por isso devem ser preservadas com maior cuidado nos anos seguintes".


Uma das coisas que mais me emocionou foi entrar numa suposta Casa de Escher, onde, sentada numa cadeira e segurando uma bola de metal prateada nas mãos, pude ver refletida na bola a casa dele, assim como ele a desenhou em uma de suas obras.
Uma sacada e tanto do curador Pieter Tjabbes.


Outra coisa da qual gostei muito foi a Sala do Periscópio, onde fica o poço infinito.
Bárbaro! Eu pude ver um poço infinito sob seus pés, ao mesmo tempo que podia ver meu filho refletido no espelho sobre minha cabeça. Ele estava à minha direita, do outro lado da sala, na frente de um espelho. Muito interessante!

Há, também, a Sala do Impossível, onde uma das janelas mostra tudo em ordem, enquanto na outra, os objetos aparecem flutuando.
Depois, olhando direito, você percebe como a sala foi construída. Mas o efeito que causa é inquestionavelmente impressionante!

Pode-se ver alguns dos trabalhos mais conhecidos do artista,como as escadas de Relatividade, as escadas De Cima Para Baixo, a artitetura que tem uma Cascata impalpável e a enorme xilogravura Metamorphose II.






Maurits Cornelis Escher nasceu em 1898, na Holanda, e morreu em 1972.
É um dos maiores artistas do século XX.
Uma das principais contribuições da obra deste artista está em sua capacidade de gerar imagens com impressionantes efeitos óticos, uma das características mais marcantes de seus trabalho.
Efeitos de espelhamento também são por ele trabalhados, com notável qualidade técnica e estética.

Suas obras representam construções impossíveis, brincadeiras óticas que conseguem subverter o plano, explorações do infinito e metamorfoses.
É evidente o questionamento que ele fazia:
"Será que o que você vê é realmente o que está vendo?"

Acham que vão adorar o vídeo abaixo.
Coincidentemente, Escher está fazendo a obra dele que eu mais gosto: Cobras.


Postar um comentário