20 de jun de 2009

Festa Junina



Hoje eu fui à Festa Junina de meu filho menor, de 11 anos. Ele dançou.
Quando ele era bem menor sempre dançava, também. Mas nos anos passado e retrasado ele não quis. Dizia que era coisa de "criancinha". Mas ia na festa para se divertir nos brinquedos, ganhar prendas, comer, gastar fichas e encontrar com os amigos.
Este ano ele fez questão de dançar. E na hora da apresentação da dança, enquanto eu o via seguindo a música e a coreografia remontei ao passado. Quando pequeno ele dançava sério, preocupado em não errar os passos. O compromisso em fazer tudo o que a professora ensaiara era muito grande e enorme era, também, a sua responsabiliodade para com ela, com o grupo e, principalmente, com o seu par na dança. Aí, numa fase de transição de idade, dançar virou projeto abortado. Agora, já adolescente e passada a fase de transição, ele escolheu dançar para se divertir com os amigos. E todos da sua classe têm o mesmo pensamento, tão visível e observável em suas atitudes. As meninas já escolhem seus próprios vestidos e adereços, adoram a maquiagem e curtem todos os detalhes e frufrus. Os meninos escolhem uma roupa que esteja dentro da temática mas se preocupam muito em não ficarem ridículos. Mas não se esquecem das coisas mais modernas tais como colocar um gel no cabelo, um tenis mais atual ou um chapéu não tão cheio de palha. E vão alegres para a festa divertida com seus amigos. E enquanto dançam, observam uns aos outros para admirarem a estranheza da rouparia, uma novidade para eles, embora não comentem...ou então, observam quem erra o passo para poderem rir um do outro. E, apesar de já estarem a caminho da fase adulta, se divertem com a ingenuidade e a pureza que ainda lhes sobra nesta fase da vida.
Maternidade é bom. Faz a gente refletir sobre os seres humanos. Faz-nos ver, no crescimento de nossos filhos, como a vida é cíclica. Em pouco tempo será meu filho com os filhos dele. E então, verei meus netos e , enquanto ele dançar, terei dois tempos para lembrar. Tomara que a música seja longa...
Postar um comentário